segunda-feira, 8 de maio de 2017

O Final




Postagem de número 200: A última postagem do blog O Senhor Automóvel. Foram 04 anos, iniciados em uma brincadeira, após várias ''cantadas'' do amigo Guilherme Gomes (Antigos Verde Amarelo - nossa eterna bíblia automotiva brasileira). Fizemos um blog que, inicialmente, era difuso, confuso e de amplo conteúdo. Amadureceu, focando-se somente em automóveis de grande valor colecionável, especialmente carros raríssimos e de luxo que fazem parte ou fizeram parte da frota brasileira um dia. 

O Senhor Automóvel continuará no ar. Este é resultado de nossas pesquisas, a qual nos revelou uma porção de automóveis raros que já estiveram no Brasil, coçando nossa imaginação sobre 03 pontos: E se tivessem 'sobrevivido'? Será que está guardado em algum lugar? E se não fosse exportado? 

Mas nosso projeto continuará, totalmente focado em outra coisa. E em breve nossos leitores saberão!

Ficam agradecimentos a pessoas que, sem a colaboração, talvez não tivéssemos um conteúdo tão bom como temos. Agradeço a meus amigos Alexandre Galindo, Rafael Finardi, Gustavo Tostes, João Pedro Gazineu, André Barros Beldi e Guilherme Gomes pelas colaborações devidamente citadas neste blog. Também agradeço muito a Antônio Seabra (dono do único registro fotográfico de um Duesenberg no Brasil!), Humberto Poppi (excelentes fotos do Delahaye Coupe des Alpes no Museu de Caçapava/SP), Roberto Nasser (muitas histórias nos foram contadas ao longo desses anos) e ao "Luizinho" Gil Leão, que nos colaboraram com fotos de família ou de seus arquivos pessoais. 

O "blogueiro": Pessoalmente, gostaria de agradecer a todos leitores e amigos que fiz com esta minha aventura. Sou filho de um colecionador de automóveis que iniciou sua coleção no final da década de 1970. Tudo começou com esta Jardineira Chevrolet Capitol, fabricada em 1928, chegando a totalizar 10 automóveis nos anos 90. O pai a comprara em um galinheiro em Sapucaí Mirim, no final dos anos 70. Inicialmente, este carro fazia transporte de pessoas em São Paulo, mas fora vendida em 1941 já alterada para caminhão, serviço que realizaria pelos seus 20 anos seguintes na cidadezinha das Minas Gerais. 


Fora aposentada e guardada no galinheiro onde o pai a comprou. Não é um automóvel com carroceria original, mas temos um enorme apego e adoração pelo o que ela tanto nos representa - especialmente a mim, que sempre que a olho na minha garagem lembro de meu pai!


Duas curiosidades:

1-Até hoje, com o mesmo motor original de fábrica, conforme documento de 1941 que guardamos;
2-Detém um belo São Cristovão com o nome da concessionária Otto Penteado & Cia, que a vendeu a seu primeiro dono (o pai foi o terceiro).



Cresci com estes automóveis, e aprendi com meu pai muito sobre automóvel antigo e como curti-lo com muita alegria. Hoje ainda temos uma pequena e muito afetiva coleção, e sempre agradeço também à minha esposa que, apesar de não gostar de meus carros, respeita muito o quanto gosto deles. 



Por fim, traremos mais uma postagem. 

A Hispano Suiza H6B da foto que abre a matéria tem chassis/motor no. 301660 de 1928, e pertenceu à família de Manuel Coutinho, de São Paulo. Comprado à vista em 1927, sob encomenda, o chassis fabricado em 1926 fora entregue em 1928, com a carroceria estilo Touring feita em Paris por Million et Guiet. Era um automóvel de altíssimo nível: O automóvel fora comprado por Ronaldo de Andrade nos anos 60, que a levara aos EUA no final dos anos 70 e começo dos anos 80 em ocasião de sua mudança para lá. Porém, vendeu-a um colecionador americano, com o qual o carro permaneceu até ser leiloado nos anos 90. Atualmente, tem um novo dono, também americano. Detalhe para o São Cristovão feito sob encomenda por Coutinho a Françoi Bazin - sim: o mesmo artista responsável pela arte das cegonhas do radiador das Hispano Suiza!



Muito obrigado!

Nenhum comentário:

Postar um comentário